03/05/2017 às 14h34min - Atualizada em 03/05/2017 às 14h34min

Amambai terá Centro de Pesquisa da Erva Mate

A iniciativa deve fortalecer e dar novo folego ao produtor Amambaiense.

Assessoria
Em visita às áreas de produção de erva-mate no município de Amambai, agrônomos da Agraer, produtores associados da Agrimate, o Secretário Municipal de Agricultura e pesquisadores da EMBRAPA FLORESTAS, discutiram uma proposta para o fortalecimento do cultivo da erva-mate na região.

O Coordenador Regional da Agraer, Antônio de Oliveira Peixoto acredita que “as parcerias entre os governos Federal, Estadual e Municipal são de vital importância para o retorno do cultivo da erva-mate na região da Fronteira”.

Vanderley Porfírio-da-Silva, Chefe de Transferência de Tecnologias da EMBRAPA FLORESTAS, definiu a contribuição da Embrapa para a retomada da erva-mate na região pois além de favorecer a comercialização do produto a preços mais favoráveis e acessíveis aos consumidores, aumentará a geração de empregos e fortalecerá a economia do município e de toda a região da fronteira.

Os pesquisadores da Embrapa consideraram a iniciativa da reunião uma oportunidade para apresentar e discutir avanços tecnológicos para o cultivo da erva-mate bem como captar as demandas dos produtores e técnicos que atuam no setor. 

Para os produtores da Agrimate, a reunião e visitas a duas áreas produtoras de erva-mate, foi um momento de conhecer novas possibilidades para a produção de erva-mate, e que será importante para o avanço do conhecimento sobre o cultivo da erva-mate, que seja instalado uma área de demonstração do sistema Erva-20 no município.

Já para o agrônomo da Agraer de Amambai, Ademar Júnior a parceria entre Agraer e Embrapa com apoio do Município irá despertar interesses dos próprios Produtores e na busca de apoio  junto as Instituições competentes para atender as suas necessidades através de uma assistência técnica correspondente às suas necessidades.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual o principal sentimento que você tem em relação à pandemia de Covid-19?

56.4%
3.3%
32.1%
8.2%