16/01/2021 às 12h34min - Atualizada em 16/01/2021 às 12h34min

Em 15 dias, MS tem 3,5 vezes mais mortes por Covid-19 que no início da pandemia

midiamax

Nos últimos 15 dias,  registrou 3,5 vezes mais mortes por  do que nos quatro primeiros meses de pandemia. Assim, até a última sexta-feira (15), 319 pessoas faleceram devido à doença em 2021.

De acordo com o boletim epidemiológico da SES (Secretaria de Estado de Saúde), no total, MS possui 2.648 vítimas fatais do coronavírus. Então, se comparado com os quatro primeiros meses da pandemia, em 2020, o Estado triplicou o número de mortes na primeira quinzena deste ano.

De março a junho do ano passado, foram 90 óbitos causados pela doença. A primeira vítima de coronavírus no Estado foi registrada em março, sendo a única do mês. Em abril, oito pessoas morreram de .

Seguindo o calendário, em maio 11 sul-mato-grossenses foram vítimas da doença. Por fim, em junho foram registrados 70 óbitos causados pelo coronavírus no Estado.

Além dos óbitos, MS sofre com o avanço das infecções. Na primeira quinzena de 2021 foram confirmados 14.654 novos casos de coronavírus. Então, 148.415 já pegaram  no Estado desde o começo da pandemia.

Das dez cidades com maior letalidade por coronavírus em idosos com 60 anos ou mais, sete são do interior de . A cidade com maior taxa é Ponta Porã, com 28,4% de letalidade considerando o grupo – no município a 312 km de Campo Grande, praticamente uma cada três idosos que pegam  morre .

Ponta Porã registrou, ao todo, 193 casos confirmados em idosos até a última sexta-feira (15). Assim, 55 pessoas com 60 anos ou mais faleceram em Ponta Porã devido à doença.

A verificação foi realizada pelo Jornal Midiamax, com base nos microdados disponibilizados pela SES (Secretaria de Estado de Saúde). Lembrando que a letalidade é calculada pela divisão do número de óbitos pela quantidade de casos registrados.
 

Com apenas um óbito registrado nessa faixa etária, Anaurilândia é o segundo município com maior letalidade. Na cidade, a taxa é de 25% e foram confirmados quatro casos de  em idosos. A terceira colocada é Alcinópolis, com 20% de letalidade, 10 casos e duas mortes registradas em pessoas com 60 anos ou mais.

Seguindo ordem decrescente, Paraíso das Águas registrou 19 casos em idosos e desses, nove faleceram. Assim, a taxa de letalidade da cidade é de 15,7%

Município Casos confirmados Óbitos Letalidade (%)
Ponta Porã 193 55 28.49
Anaurilândia 4 1 25
Alcinópolis 10 2 20
Paraíso das Águas 19 3 15.78
Paranaíba 134 20 14.92
Jardim 97 14 14.43
Corguinho 7 1 14.28
Campo Grande 8878 1161 13.07
Nova Andradina 153 20 13.07
Naviraí 341 44 12.90
 

Vale lembrar que, apesar de não fazerem parte da faixa etária com mais casos de coronavírus, idosos são os mais afetados pela doença. Na estatística geral, o grupo corresponde a 12,9% do total de infectados. Entretanto, pacientes com mais de 60 anos são os que mais falecem devido ao novo coronavírus.

Neste universo, considerando idosos com mais de 75 anos – grupo prioritário para vacinação no país -, a taxa de letalidade é de 22,5%. Ou seja: quase 1/4 dos pacientes nesta faixa etária em MS perderam suas vidas desde o início da pandemia.

De acordo com levantamento realizado pelo Jornal Midiamax, com dados da SES, 4.319 pessoas nesta faixa etária já foram infectadas até a quarta-feira (13). Dessas, 975 faleceram devido à doença, o que representa a estatística de 22,5% em taxa de letalidade.

Em MS, pessoas de 30 a 39 anos são mais infectadas por coronavírus. São 33.397 desde o começo da pandemia. No entanto, a taxa de letalidade dessa faixa etária é de 0,2%. O índice é 112 vezes menor do que a letalidade de idosos com 75 anos ou mais.

No Estado, a letalidade para idosos no geral é de 10,95%. Ou seja, das 18.107 pessoas com 60 anos ou mais que já foram infectadas por coronavírus, 1.983 vieram á óbito. Quando isolado os óbitos de pessoas de 60 a 74 anos, a letalidade é de 7,3%. Estes também devem ser vacinados como prioridade, em rodadas posteriores.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual o principal sentimento que você tem em relação à pandemia de Covid-19?

56.0%
3.3%
32.3%
8.3%