02/12/2020 às 09h26min - Atualizada em 02/12/2020 às 09h26min

SES cobra medidas mais restritivas dos municípios para conter avanço da doença

Nesta terça-feira (1/12), Mato Grosso do Sul ultrapassou a marca de 100 mil contaminados pelo COVID-19. Com o aumento exponencial dos números de casos e de pacientes internados, o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, destaca que somente com os municípios seguindo a risca as medidas restritivas orientadas pelo Programa Prosseguir será possível conter o avanço do coronavírus.

“É preciso que tenhamos medidas restritivas, toque de recolher mais extenso e que as atividades não-essenciais deixem de serem feitas sob pena de termos o colapso na Saúde Pública do Estado. Precisamos de medidas restritivas, de acordo com aquilo que nós construímos ao longo deste enfrentamento com o Programa Prosseguir.”.

A Secretaria de Estado de Saúde destaca que os prefeitos devam seguir à risca, às determinações quanto a classificação feita pelo Programa de Saúde e Segurança da Economia (Prosseguir).  A orientação é que medidas mais enérgicas restritivas sejam adotadas e que as atividades consideradas não-essenciais deixem de ser realizadas conforme embandeiramentos dos municípios no Programa Prosseguir.

Neste 1º de dezembro foram registrados 1.090 casos novos chegando a 100.151 pessoas com COVID-19. Com mais onze óbitos, 1.780 perderam a vida para o coronavírus. A média móvel diária de casos está em 914,9 e a média móvel de óbitos está em 6,0. A taxa de contaminação sofreu aumento expressivo chegando a 1,03. A taxa de letalidade está em 1,8%.

Mato Grosso do Sul também apresentou aumento no número de casos ativos que estão em 11.152, apesar do Estado ter 87.219 casos recuperados.

O número de pacientes internados com COVOD-19 teve aumento expressivo nas ultimas duas semanas passando de 206 internados em 11 de novembro para 456 pacientes internados com coronavírus em Mato Grosso do Sul.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual o principal sentimento que você tem em relação à pandemia de Covid-19?

56.6%
2.0%
32.9%
8.5%