22/03/2017 às 10h12min - Atualizada em 22/03/2017 às 10h12min

Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul realizou workshop

O evento teve transmissão ao vivo na internet.

Defensoria

A Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) e da Escola Superior (ESDP/MS), em parceria com a Secretaria Estadual da Educação, Prefeituras e Secretarias Municipais de Educação realizou no dia 10 de março, como forma de propor reflexões na semana em que se comemorou o dia internacional da mulher, o workshop “Por uma escola mais democrática: pensando masculinidades e feminilidades”.

 O evento teve transmissão ao vivo na internet.

 Amambai registrou o maior público do Estado, com quase 390 participantes.

 Em Campo Grande 162 pessoas assistiram ao evento que aconteceu no auditório da ESDP.

 Participaram professores, coordenados, diretores de escolas, além de pessoas envolvidas com a defesa dos direitos das mulheres.

 O evento contou com três palestras envolvendo questões de gênero e educação. A primeira abordagem foi feita pelo professor doutor do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Tiago Duque, sobre ‘diferenças, identidades e educação’.

Em seguida, a defensora pública do Nudem Thaís Dominato da Silva explicou as razões de ainda ser necessário falar sobre violência doméstica.

 “Não há porque ter medo de discutir gênero nas escolas, pois isso significa questionar a desigualdade entre homens e mulheres, desconstruir a desigualdade. Não significa abolir leis biológicas ou interferir nas orientações sexuais. E o papel da escola é extremamente importante, os professores podem trabalhar pra prevenir essa violência, pois assim como o espaço escolar promove a violência de gênero e ressalta a desigualdade, ele também combater essas condutas”.

A Defensora ainda divulgou dado preocupante, estando Amambai entre as 100 cidades do país com maior índice de feminicídio.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual o principal sentimento que você tem em relação à pandemia de Covid-19?

56.6%
2.0%
32.9%
8.5%