02/08/2018 às 17h32min - Atualizada em 02/08/2018 às 17h32min

Polícia procura suspeitos de assalto

A quadrilha é formada por jovens entre 13 e 18 anos tem como alvos mulheres sozinhas

agazetanews/vilson nascimento

A Polícia Civil está procura de integrantes de  uma suposta quadrilha responsável por roubos de carro, em Amambai.

Segundo o SIG (Setor de Investigação Geral) da Delegacia de Polícia Civil local, a quadrilha, que é formada por jovens entre 13 e 18 anos, tem como público-alvo mulheres sozinhas, começou a agir na cidade no meio do ano passado com o roubo de um Land Rover Freelander 2 pertencente a uma médica. Na ocasião a vítima foi rendida ao sair de uma academia de ginástica da cidade. Na mesma época os marginais também roubaram um Vectra, quando a vítima, também uma mulher, foi rendida ao sair de casa.

As investigações chegaram a três adolescentes e um maior, todos envolvidos e após a prisão do maior e a responsabilização dos menores em atos infracionais, os roubos cessaram.

Quadrilha voltou a agir

De acordo com o SIG, após um tempo se envolvendo em outros delitos, porém sem praticar roubos, os membros da quadrilha angariaram novos integrantes e voltaram a cometer assaltos à mão armada em Amambai, sempre tendo como vítimas mulheres sozinhas, e uma das vítimas  foi uma professora de 43 anos.que ao parar em frente de sua residência, na tarde do dia 3 de julho, teria sido rendida por um individuo magro, aparentando entre 17 a 18 anos, que de posse de uma arma de fogo, aparentemente um revólver, que anunciou o assalto.

Outro roubo atribuído à quadrilha, que teve como vítima uma mulher de 24 anos, ocorreu na quinta-feira, dia 26 de julho, que ao parar para evitar atropelar um homem, outro indivíduo teria se aproximado e com a arma em punho apontando para a cabeça da mulher, e anunciado o assalto.

As investigações

O SIG  conseguiu chegar à identificação dos supostos membros da quadrilha, identificando Ueliton Ramos da Costa, também conhecido por “Cuiabano” ou “Baiano”, de 18 anos, natural de Guarantã do Norte, no Mato Grosso, Marlon de Lima, de 18 anos, morador no Jardim Panorama, em Amambai e um garoto de apenas 13 anos, morador na região da Vila Etelvina, em Amambai.

Segundo a equipe de investigação, Ueliton Ramos, que em março deste ano, quando ainda era menor, foi detido por tráfico de drogas em Ponta Porã, mas liberado logo em seguida e em junho também desse ano, foi detido e indiciado por furto na Delegacia de Amambai, teve participação nos dois assaltos.

Ele foi reconhecido como sendo o indivíduo que rendeu e assaltou a professora no dia 3 de julho e também era quem estava com a arma no assalto ocorrido no último dia 26 em Amambai.

Nesse último roubo ele teria agido em companhia do menor de 13 anos, que segundo o SIG é irmão do indivíduo que rendeu a médica para roubar o Land Rover Freelander 2 no ano passado.

Durante o assalto da semana passada, segundo a polícia, o garoto teria chamado Ueliton pelo nome na frente da vítima, fator que ajudou a polícia na identificação do acusado.

Segundo a Polícia Civil, Marlon de Lima não participava do ato operacional, ou seja, do assalto em si, porém era quem escondia os carros roubados no Jardim Panorama, onde reside e o Voyage roubado foi encontrado.

Segundo a polícia, Marlon também seria o responsável por levar e vender os carros roubados no Paraguai.

Diante da identificação dos integrantes da suposta quadrilha e das evidências levantadas pelos investigadores, o delegado encarregado pelo caso deverá representar pela prisão preventiva dos maiores e pela apreensão do menor junto ao Poder Judiciário.

De acordo com a polícia ao saber que estavam sendo investigados, Ueliton, Marlon e inclusive o menor de 13 anos fugiram e ainda não foram encontrados.

A Polícia Civil solicita para quem souber do paradeiro dos suspeitos para entrar em contato, mesmo que de forma anônima, com a Delegacia de Polícia Civil em Amambai pelo fone (67) 3481-1415 ou com a Polícia Militar pelo fone 190.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual o principal sentimento que você tem em relação à pandemia de Covid-19?

56.4%
3.3%
32.1%
8.2%