23/01/2017 às 14h43min - Atualizada em 07/02/2017 às 14h43min

MP investiga compras de materiais e obras da Câmara

O MPMS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) abriu quatro inquéritos para investigar indícios de irregularidades na Câmara Municipal de Amambai.

É bom salientar que agora em fevereiro de 2017 estes inquéritos estão completando um ano e ainda não foram concluídos, ou pelo menos, divulgados os seus resultados.

A apuração, segundo o órgão, vai desde possíveis ilegalidades na contratação de empresa para executar obras no prédio, até diárias de vereadores, produção de materiais informativos e favorecimento de familiar na compra de produtos de limpeza.

No Diário Oficial do MPMS, foi publicada a instauração de três inquéritos. Um deles é para apurar os indícios de irregularidades referentes ao processo licitatório para contratação “de empresa do ramo de engenharia para execução de obra de reforma, adequação e aumento das instalações da Câmara”.

Outra é para investigar possíveis irregularidades nas licitações com a “finalidade de contratação de serviços de diagramação, edição e confecção de informativo” para o legislativo municipal.

O terceiro inquérito publicado no Diário dessa data foi aquele que vai apurar supostas ilegalidades no pagamento de diárias e outros auxílios financeiros a vereadores amambaienses.

Também no Diário Oficial do MPMS já havia sido publicada a abertura de outro inquérito. Esse para investigar a ordenação de despesa pela Câmara, “para a aquisição de materiais de limpeza, higiene e gêneros alimentícios, com suposto favorecimento de empresa cujo proprietário teria vínculo de parentesco com um vereador”.

Na publicação não é citado o nome do parlamentar, nem qual familiar seria o favorecido pelo suposto esquema.

A Câmara Municipal de Amambai possui 13 vereadores. A casa de leis é presidida atualmente por Carlos Roberto Batista do Nascimento (PPS), o mesmo que presidiu em 2013.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual o principal sentimento que você tem em relação à pandemia de Covid-19?

56.0%
3.3%
32.3%
8.3%