22/04/2022 às 14h13min - Atualizada em 22/04/2022 às 14h13min

Bastidores Políticos com Fonseca Junior

O ex-senador Pedro Chaves se filiou ao PP e já anunciou nas redes sociais que 'segue junto' de Tereza Cristina.

O empresário assumiu o mandato em maio de 2016, quando Delcídio do Amaral foi cassado. Assim, permaneceu como senador em exercício até janeiro de 2019.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) já anunciou, oficialmente, que pretende chamar Tereza Cristina para ser ministra novamente, caso reeleito. Na ocasião, falou que em vez de ter uma deputada-ministra, terá uma senadora-ministra.

Caso a previsão se concretize, o caminho ficará livre para Pedro Chaves voltar a ocupar uma cadeira no Senado, assim como ocorreu em 2016. Claro, isso se a chapa com a líder do PP em MS se concretizar.

Deixando a prefeitura de Campo Grande para correr atrás do Governo de MS, Marquinhos Trad já publicou vídeo com nova identidade visual. Apostou na bandeira do Estado em formato de globo, com detalhe para um sol atrás da imagem.

Alguns dias após renunciar, Marquinhos ainda exibia ‘prefeito de Campo Grande’ nas redes sociais. Desapega, pré-candidato!

O deputado estadual Evander Vendramini (PP) afirmou que o PP e PSDB estão inchados, com as novas filiações dos parlamentares, em busca da reeleição este ano.
Vendramini brincou ao dizer que poderia mandar uns “dois deputados pro Republicanos, para equilibrar”.

O deputado estadual Lucas de Lima disse que por enquanto está sem partido. Presidente da Casa de Leis, Paulo Corrêa disse já ter feito o convite para ele se filiar ao PSDB. 

 ‘Cai um, assume um pior’, disse Simone Tebet sobre ministro da Educação. Nas redes sociais, ela afirmou que “no pior governo da história, o Brasil assiste uma sucessão de piores ministros da Educação”.

Faltando dois dias para o encerramento da janela partidária, o deputado federal Dagoberto Nogueira anunciou sua saída do PDT. Presidente do diretório estadual, o parlamentar afirmou que é uma partida dolorosa, mas que enfrenta dificuldades na composição da chapa federal.

Após o anúncio, o deputado estadual Lucas de Lima chegou a dizer que assumiria o cargo de presidente do diretório regional. No entanto, a informação foi desmentida oficialmente pelo diretório da legenda.

Segundo o PDT-MS, quem ficaria na presidência seria o atual vice de Dagoberto, João Leite Schimidt, ex conselheiro do TCE-MS.

Dias depois todos os componentes do Diretório Regional foram destituídos.

Pré-candidato ao Governo do Estado, Eduardo Riedel (PSDB) usou mais uma vez a obra do Bioparque Pantanal para propaganda política, agora com estudantes da Rede Estadual.

A visita contou com um funcionário disposto a mostrar todos os pontos da construção, servindo literalmente de guia para crianças e adolescentes.

Segundo informações extras-oficiais, prefeitos estão reclamando de um 'ultimato' dado em evento pré-eleitoral em Campo Grande, e políticos experientes reclamam de suposta pressão pois não podem 'deixar a torneira secar'.
 
A suposta pressão se dá pela desaprovação do nome de Eduardo Riedel para governo estadual.
 
Tão pouco o povo quanto os parceiros políticos não veem o nome como um forte pré-candidato chegando a 7% de intenções de votos em órgãos pesquisas, enquanto vê seus adversários dobrarem ou até triplicarem os números.
 
Fato é, que isso pode ocasionar em uma ação pelo TSE, já que, segundo a análise de advogado que já atuou como juiz eleitoral em MS, constranger pessoas a participarem de evento pré-eleitoral em troca de favor econômico, mesmo que sob pressão tática e para uma instituição que não o próprio pressionado esteja interessado, seria um caso flagrante de abuso.
 
Vale lembrar que eu um passado não tão distante, o candidato preferencial do Governo do Estado era Marquinhos Trad, que por motivos não muito bem esclarecidos,  se desentenderam e se tornaram adversários políticos, deixando o Governo sem opções fortes!
Link
Leia Também »
Comentários »