01/06/2018 às 11h07min - Atualizada em 01/06/2018 às 11h07min

Vai Vendo

VAI VENDO!!!
COMO PODE?
............As cinco reduções de preço em oito dias de greve de caminhoneiros, enquanto dólar e o barril subiam, apenas mostra que a dolarização dos combustíveis nada tem de “técnica”. A Petrobras aumenta ou diminui preços de acordo com os seus interesses. Financeiros ou políticos............
 
VAI VENDO!!!!
COMBUSTÍVEL DOLARIZADO SUSTENTA A INEFICIÊNCIA!!!!!!!
............Para produzir seus 2,7 milhões de barris/dia, a Petrobras mantém 180.258 mil funcionários, entre terceirizados e efetivos, que, vez por outra, ainda inventam greve malandra como a prevista para esta quarta (30), de 72 horas, cujo término coincide com o fim de semana. Já a americana Chevron, que não se beneficia de monopólio, tem 61 mil empregados, um terço da nossa estatal, e produz os mesmos 2,7 milhões de barris/dia.............
 
VAI VENDO!!!!
MÊS DE MAIO!!!! PECULIARIDADE 2.......
.............A segunda peculiaridade é uma constatação: a eleição dos deputados, a quem caberá dar ou não sustentação ao presidente, e no limite derruba-lo, afigura-se, com crescente clareza, como tão importante quanto a do presidente, se não mais. A escolha do deputado apresenta ao eleitor o desafio, primordial entre todos, de encontrar pessoas sérias. Não luminares, mas, singelamente, pessoas sérias. O desafio é gigante, dada a falta de semelhante artigo em oferta, e o sistema, em que miríades de pretendentes se oferecem, lutam para sobressair, confundem-se e ofuscam-se uns aos outros, não ajuda. O simulacro brasileiro, em anos recentes, de sonhar com a imaginação no poder, pode ter sido o junho de 2013. O choque de realidade chegou com o improvável governo Temer...............NÃO VOTE QUEM JÁ ESTEJA EM BRASILIA!!!
 
VAI VENDO!!!!
MÊS DE MAIO!!!! PECULIARIDADE 1.......
..............O maio deste 2018 no Brasil apresenta-se melancólico. A cinco meses da eleição, o panorama exibe duas peculiaridades ausentes em eleições anteriores. A primeira é: deve-se avaliar com cuidado se o candidato escolhido reúne condições de ir até o fim de mandato. Dos quatro presidentes eleitos desde a redemocratização, dois foram desapeados do cargo. É uma extravagância que causa trauma, deixa ressentimento e abala a ordem institucional. Quando se examinam os candidatos deste ano, não há exagero em dizer que vários, por motivos que vão do temperamento à falta de estruturas políticas e à vigilância da Justiça, arriscam não terminar o mandato..................
 
Link
Leia Também »
Comentários »